Artigos

Todo fim é também um começo

Em minhas aulas para iniciantes, quando chega o dia de explicar as notas musicais, falando de seus graus e intervalos, geralmente percebo alunos com uma propensão por julgar a nota Dó como a inicial da escala (tanto que muitos sabem falar Dó, Ré, Mi, Fá e etc. Mas se perdem na forma descendente: Dó, Si, Lá, Sol, etc.)

Aí eu digo que este Dó que é começo, também é término. Pois o primeiro grau sempre pode ser visto como oitavo grau e vice-versa. É tudo uma questão de perspectiva (e isto serve pra qualquer nota).

Vamos imaginar instrumentos musicais numa caminhada para o mundo dos graves…

O violão irá dando passos na direção dos graves e logo chegará na sua corda mais grossa, onde fica a nota Mi. Para ele acabou. Mas será que este Mi (frequência de 82,41 Hertz) é o fim da estória?

Eis que chega o contrabaixo dizendo que aquele Mi (que para o violão é extremo) é para ele apenas mediano. Ou seja, a caminhada continua. E o baixo tambem acaba chegando em outro Mi (de 41,20 Hertz) que, em sua consciência limitada, também crê ser ali o ponto final.

Aí vem o piano e exibe todo pomposo notas ainda mais graves, até chegar num Lá (de 27,5 Hertz) na sua primeira tecla da esquerda, julgando ser este o fim da estória. Só que mal sabe ele que sua visão também é limitada. Pois há notas ainda mais graves que atingirão frequências que nosso ouvido nem saberá perceber (pois este também é limitado).

Veja só esta notícia, que mostra como o universo do piano (e o nosso) é limitado:

“Um buraco negro monstruoso anda a cantarolar em Si bemol, por assim dizer, mas num tom que nenhum ser humano pode ouvir, quanto mais cantar.

Encontrou-se, deste modo, a nota mais grave do Universo. É cantada por um buraco negro com 2.5 mil milhões de vezes a massa do sol, a 250 milhões de anos-luz, no grupo de galáxias de Perseu. A nota tem uma intensidade semelhante à voz humana, mas está 57 oitavas abaixo de um dó normal, muito além das nossas capacidades auditivas e vocais. Um piano tem sete oitavas. A frequência do som produzido está, assim, muito para lá dos limites humanos.”

Como nosso Universo tem muito mais do que imaginamos, provavelmente até este Si bemol ultra grave perderá seu reinado em breve.

 

Através da música consigo as vezes trazer alguns “insights” para a vida. E adoro quando isto acontece!

Insight 1: No fundo, todo fim é um começo!

Dá pra levar esta ideia para inúmeras áreas: Fim de uma espera, fim de um relacionamento, fim de um trabalho, fim da escola, fim das férias, fim de uma doença, fim de um problema, e por aí vai…

Até o fim da vida é um começo! Seja do descanso eterno (pra quem é fraco de imaginação), seja de um despertar do “outro lado” (e aí cada um interprete este outro lado como bem lhe aprouver).

 

Insight 2: No fundo, todo fim tem um quê de ilusão.

Como está a minha mente (ou meu espírto, se preferir)?

Se ela tiver um alcance pequeno, os limites aparecem antes. Mas ao renova-la tal abrangência cresce e o que se mostrava como fim acaba revelando-se um mero fruto da minha santa ignorância.

Veja como tudo é relativo…

A mesmíssima coisa, chegando ao “fim”, pode ser fonte de alívio pra um e fonte de desespero pra outro. Imagine alguem que ficou preso, cumprindo uma pena de vinte anos. O fim da prisão é o começo de uma era em liberdade. Mas por que alguns atravessam o portão empolgados e animados, enquanto outros atravessam cheios de medo e ansiedade? (Quem aí já assistiu ao belo filme “Um sonho de liberdade”?)

 

Insight 3: No fundo, todo fim é pura transformação.

Dá pra entender porque o novo dá medo. Afinal tem a ver com o desconhecido, com o imprevisível. Mas o medo está aí para ser superado. E por falar em medo, tantos falam em fim do mundo (e não é de hoje!). Mas que fim do mundo que nada! Nosso mundo não acaba, apenas se transforma.

Nada ilustra mais esta ideia de transformação do que a manjada estória da lagarta virando borboleta. Pois é, lagarta… seu fim é um começo e tanto!

 

O sentido da vida está em eternamente renovar-se. Portanto chegar ao fim não faz sentido.

 

Fim.

 

 

 

 

CALENDÁRIO

dezembro 2018
S T Q Q S S D
« jun    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

ARTIGOS

@shergom      

NUVEM DE TAGS